Bem vindo ao Arinos Notícias, Quarta-Feira, 22 de Novembro de 2017
Noticia
     
27 de Outubro, 2017 - 10:50
Em discussão com Mendes, ministro lembra que em MT todo mundo está preso

“Nós prendemos, tem gente que solta”, alfinetou Luís Roberto Barroso.


Os ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), trocaram duras acusações durante a sessão plenária da Corte nesta quinta-feira (26/10). O que começou com provocações sobre os estados de origem de ambos terminou com cada um criticando o histórico profissional do outro.

O episódio escancarou o antagonismo de ideias entre eles, que frequentemente estão em lados opostos nos julgamentos relacionados aos escândalos de corrupção no país, nos quais a Suprema Corte tem se mostrado dividida.

Mendes criticou a situação financeira do Rio de Janeiro, estado de origem de Barroso, enquanto o outro ministro questionou se, no Mato Grosso, terra natal de seu opositor, “está tudo muito preso”. Era uma referencia ao fato de o ex-governador carioca Sérgio Cabral estar com transferência marcada para o presídio federal de Mato Grosso. Contudo, em nota, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) informou nesta quinta (26/10), que o político irá para uma unidade prisional da União em Campo Grande (MS).

“Nós prendemos, tem gente que solta”, alfinetou Luís Roberto Barroso. Em resposta, Gilmar disse que o colega, ao chegar ao STF, “soltou José Dirceu”, ex-ministro do governo Lula e condenado no caso do Mensalão.

Presidente tentou apartar

Na sequência, os ministros foram interrompidos pela presidente do Supremo, Cármen Lúcia. Mas a discussão continuou.

Barroso acusou Mendes de ser parcial em suas decisões e explicou as razões pelas quais concedeu indulto ao ex-ministro José Dirceu. “Não transfira para mim essa parceria que Vossa Excelência tem com a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco”, afirmou.

Em outro momento, Gilmar Mendes fez alusão a Barroso ter defendido o ativista italiano Cesare Battisti: “Não sou advogado de bandidos internacionais”. Barroso retrucou: “juiz não pode ter correligionário”.

Para encerrar a discussão, a ministra Cármen Lúcia lembrou aos colegas que eles estavam “no plenário de um Supremo Tribunal” e que ela gostaria de voltar ao caso em julgamento. Após o bate-boca, o julgamento foi retomado e concluído: os ministros mantiveram decisão da Assembleia Legislativa do Ceará que extinguiu os tribunais de contas municipais.

SEGUNDA VEZ

Esta é a segunda vez que um ministro do STF cita Mato Grosso durante um bate boca com Gilmar Mendes no plenário do STF. Em 2009, quando presidia o STF, ele se envolveu numa discussão com Joaquim Barbosa, hoje aposentado.

"Vossa excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro. Vossa excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso", disparou.

https://youtu.be/k44Psus-H1g

Fonte: Folha Max
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
* O Arinos Noticias não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
mais notícias
21/11/2017
19/11/2017
18/11/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
enquete
O que você prefere ler?
Polícia
Política
Agronegócios
Variedades
Educação

Se nenhuma das opções sugeridas for de sua escolha, mande sua sugestão através do menu contato
Copyright © 2017 - Arinos Notícias