Bem vindo ao Arinos Notícias, Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019
Noticias
     
27 de Maio, 2019 - 08:29
‘Reajuste a professores causaria atrasos, demissões e aumento de imposto’, diz Gallo

O secretário de Fazenda Rogério Gallo explicou que o Governo do Estado não tem condições financeiras e nem a permissão da lei para atender as reivindicações dos servidores da Educação, que vão entrar em greve nesta segunda-feira (27). De acordo com o comandante da Sefaz, um reajuste causaria atrasos salariais, demissões de servidores efetivos e aumentos de impostos.

a última semana, após assembleia, os professores da rede pública do Estado decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, por conta das ações do Governo em relação a Lei da Dobra do Poder da Compra e da Revisão Geral Anual (RGA).

A lei em questão, aprovada pelo ex-governador Silval Barbosa, em 2013, concede o direito do aumento de 7% anualmente na remuneração dos professores, além da RGA por dez anos.

Para o secretário de Fazenda, atender o pedido da classe seria uma medida populista e irresponsável por parte do Governo, o que poderia causar enormes prejuízos a sociedade nos próximos meses e faria com que o governador Mauro Mendes (DEM) respondesse por improbidade administrativa.

“Não é uma questão de possibilidade do Governo. Não há condição legal de fazer esta implantação. Neste momento os servidores tem que dar sua contribuição. Nós não podemos implementar esses aumentos, assim como não pode nesse ano dar RGA em função da lei que foi aprovada definindo que é capacidade financeira, pois o Estado não tem condição”, disse o secretário.

“A lei não permite e se nós fizermos estaremos sendo populistas e vamos colocar toda sociedade em prejuízo. O servidor ia receber com atrasos, teríamos que demitir servidor e ainda assim teríamos que aumentar a carga tributária. Ninguém quer isso. É um problema de ordem legal e não podemos fazer, sob pena de o governador responder por improbidade administrativa” explicou.

A greve foi aprovada pelos servidores da Educação em assembleia na última segunda-feira (20). Ao todo, 105 municípios aderiram à paralisação.

Fonte: OLHAR DIRETO
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
* O Arinos Noticias não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
mais notícias
19/06/2019
18/06/2019
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
enquete
O que você prefere ler?
Polícia
Política
Agronegócios
Variedades
Educação

Se nenhuma das opções sugeridas for de sua escolha, mande sua sugestão através do menu contato
Copyright © 2019 - Arinos Notícias