Bem vindo ao Arinos Notícias, Segunda-Feira, 21 de Outubro de 2019
noticias
     
30 de Setembro, 2019 - 13:52
Justiça autoriza cirurgias espirituais em centro espírita que havia sido interditado em MT


Uma decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso autorizou a realização de cirurgias espirituais em um centro espírita em Nova Ubiratã, a 506 km de Cuiabá, que está fechado desde 2016. A decisão da última terça-feira (24) atendeu a um recurso da defesa do médium responsável pelo local.





O médium Flávio Ferreira Teixeira, que atuava no centro, é acusado de estelionato, curandeirismo, charlatanismo e exercício ilegal da medicina.




Em dezembro de 2016, a Casa Fraterna Luz Divina foi alvo de mandados de busca e apreensão e desde então está fechada.



A defesa do médium recorreu da decisão da Vara Única de Nova Ubiratã. Esse recurso foi analisado e o TJMT permitiu a reabertura.




O advogado do médium Fábio Zuquetti afirmou que a operação no centro, em 2016, foi feita no momento em que ocorriam procedimentos espirituais no local. Ele também reclamou da apreensão de itens, como a água fluidificada e a pomada utilizados nos procedimentos.




A relatora do recurso no TJMT, a desembargadora Maria Aparecida Ribeiro, se referiu à interrupção do culto e apreensão de bens como abusivas.




O centro funcionava como um “hospital espiritual”, onde as pessoas prestavam seus cultos a seus guias e recebiam curas espirituais de entidades de luz que incorporam no médium, diz a defesa no recurso julgado pela Corte.






De acordo com as investigações, Flávio Ferreira Teixeira e Sabino Maggioni teriam lucrado cerca de R$ 8 milhões em 2016, sob a prática de curas, consultas e cirurgias espirituais, sem nenhuma comprovação científica de resultados ou contraindicações, mediante cobrança de valores e ou doação espontânea.




Os acusados alegam que na época do funcionamento havia uma campanha de arrecadação de valores que era facultativa e sem caráter obrigatório e que, como consta no processo, os recursos eram destinados à construção de alojamentos e refeitório.




Durante o julgamento, o advogado disse que solicitar e receber contribuições voluntárias financeiras e de outro tipo, de particulares e instituições, é legitimado não só aos espíritas como também a católicos e evangélicos. Argumentou também que as cirurgias espirituais realizadas no local não têm corte físico e são feitas em pacientes seguidores da doutrina espírita ou espiritualista, e que nunca aconselharam “aos fieis o abandono do tratamento médico secular”.





Na sessão, o desembargador Mário Kono disse que a proibição contraria a moral, o bom senso e a liberdade religiosa. Apesar da decisão judicial recente, o local segue fechado por falta de condições financeiras para funcionamento.







 

Fonte: G1 MT
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
* O Arinos Noticias não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
mais notícias
21/10/2019
18/10/2019
17/10/2019
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
enquete
O que você prefere ler?
Polícia
Política
Agronegócios
Variedades
Educação

Se nenhuma das opções sugeridas for de sua escolha, mande sua sugestão através do menu contato
Copyright © 2019 - Arinos Notícias