Bem vindo ao Arinos Notícias, Sábado, 25 de Janeiro de 2020
Noticias
     
11 de Dezembro, 2019 - 10:41
Preço do boi gordo cai novamente e fecha a R$ 208,90, diz Cepea

O preço do boi gordo voltou a cair no fechamento desta segunda-feira, 9. O indicador do boi gordo Esalq/ B3, medido pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), recuou de R$ 211,60 na sexta, 6, para R$ 208,90 por arroba nesta segunda. A entidade afirma que no acumulado de dezembro, a queda já é de 9,7%.



A consultoria Safras & Mercado afirma que a tendência de curto prazo remete à manutenção dos preços, com os frigoríficos ainda carregando algum conforto em suas escalas de abate.



O analista de mercado Fernando Henrique Iglesias afirma que o pecuarista ficou mais reticente em negociar após a correção para baixo nos preços que marcou o final de novembro e início de dezembro, e passaram a reter as boiadas, estratégia que reduziu o fluxo de negociações no início da semana.



Apesar dessa baixa, a Radar Investimentos acredita que os preços do boi gordo não devem voltar ao patamar de antes. Segundo Leandro Bovo, sócio-diretor da empresa, as cotações podem cair no início de 2020, mas não se pode esperar preços como os praticados antes da repentina alta do boi gordo.



Motivos da alta



Um dos motivos que explicam a alta da carne bovina ao consumidor final são as exportações aquecidas, principalmente para a China. Isso ocorre porque o país asiático enfrenta um grave surto de peste suína africana. A doença, que é altamente contagiosa em porcos e possui taxa de até 100% de mortalidade, já fez os criadores chineses abaterem cerca de 40% de seu rebanho suíno, segundo o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China. Com isso, o país tem aumentado a procura por outros tipos de carnes do Brasil.



De acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), outro motivo que influenciou as exportações para a China foi a habilitação de novos frigoríficos para exportar carne bovina in natura. Mais recentemente, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou a habilitação de 13 unidades brasileiras aptas a exportar carne bovina, suína e de aves para os chineses. A expectativa da associação é de que as o aumento das vendas de carne bovina fiquem acima dos 10% previstos pelo setor em 2019.



Pouca oferta de boi



Outro fator que influencia a alta da carne bovina é a pouca oferta de boi. O Cepea afirma que, de modo geral, houve um alto número de abate de vacas nos últimos anos. Com menos fêmeas no pasto, a oferta de bezerros e, consequentemente, a de boi gordo nos dias de hoje foi prejudicada.



“Nesse sentido, a pecuária nacional vai ter que responder com aumento de produtividade para conseguir atender à crescente demanda por novos animais para abate, tendo em vista que o abate de vacas atingiu volumes recordes nos primeiros meses deste ano”, informa o centro de estudos.



Festas de fim de ano



Aqui no Brasil, apesar do desemprego e da economia ainda estarem em ritmo de recuperação, as festas de fim de ano normalmente aquecem as vendas de carne. Nessa época, é normal ter um aumento na comercialização do produto, quando os atacadistas se abastecem, à espera de aumento na procura por carne. O pagamento do 13º salário à população também ajuda a movimentar esse mercado.


Fonte: PORTAL AGRONOTICIA
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
* O Arinos Noticias não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
mais notícias
24/01/2020
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
enquete
O que você prefere ler?
Polícia
Política
Agronegócios
Variedades
Educação

Se nenhuma das opções sugeridas for de sua escolha, mande sua sugestão através do menu contato
Copyright © 2020 - Arinos Notícias